Coletiva de imprensa com Dom Damasceno a respeito de consistório

img_8502Cardeal Dom Raymundo Damasceno, presidente da CNBB e arcebispo de Aparecida, atendeu a imprensa hoje pela manhã, no Santuário Nacional de Aparecida. A coletiva ocorreu horas antes da viagem a Roma, onde Dom Damasceno integrará o Colégio Cardinálício para uma série de reuniões junto ao Papa Francisco. O cardeal falou sobre o Consistório, Campanha da Fraternidade 2014 e sobre a Imagem da Padroeira do Brasil, que será levada à Eslovênia.

Mostrando-se animado e bem disposto para a viagem, Dom Damasceno explicou como será realizada a cerimônia do Consistório e a importância dos cardeais para a Igreja Católica, enquanto conselheiros do Papa e eleitores do Sucessor de Pedro. Os três momentos do Consistório foram exemplificados: a entrega do barrete, do anel cardinalício e a posse de uma paróquia em Roma. Dom Damasceno mostrou o anel que recebeu de Bento XVI no Consistório de 2010:

“O anel cardinalício representa uma aliança do cardeal com a Igreja, o compromisso de serviço com a sociedade e com a Igreja, com o Papa. Não sabemos ainda, mas o modelo deve ser igual ao que Papa João Paulo II e Bento XVI entregaram. O desenho reproduz a cena do Calvário, com Cristo crucificado, e João e Maria ao pé da Cruz”.

Em seguida, Dom Damasceno falou sobre o barrete (chapéu cardinalício) e explicou que cada cardeal criado no próximo sábado ficará responsável por uma paróquia de Roma.

“O Papa já indica qual é a paróquia no momento da criação como cardeal. A minha paróquia é a Imaculada Conceição, na Tiburtina, em Roma. Dessa forma, ele passará a ser integrante do clero romano. Certamente haverá uma cerimônia bonita de posse. À frente de cada paróquia, haverá o brasão, o escudo do cardeal, indicando que cardeal se torna o pastor daquela igreja.

A Igreja Católica e a sociedade em geral não podem ficar indiferentes a esta situação de escravidão que atinge milhões de pessoas em todo o planeta.

Dom Damasceno também comentou a Campanha da Fraternidade, que será lançada oficialmente, em todo o Brasil, na quarta-feira de cinzas, com o tema “Fraternidade e Tráfico Humano”.

“O tema deste ano convida as pessoas de boa vontade a viverem o espírito da Quaresma, iluminados pelo tema “Fraternidade e Tráfico Humano”. Nos convida à solidariedade, a nos dedicarmos aos mais necessitados, aos que mais sofrem. O problema do tráfico é muito antigo. A Bíblia nos fala que o povo de Israel foi levado ao Egito como escravo. Apenas recentemente a comunidade internacional começou a agir de forma sistemática para combater esta chaga social que fere violentamente a dignidade humana. Se para os traficantes traz lucro, para as vítima só traz sofrimento dor e morte”.

Por fim, o cardeal reforçou a necessidade de participação de todos junto ao tema da Campanha, durante e também após o término da Quaresma.

“A Igreja Católica e a sociedade em geral não podem ficar indiferentes a esta situação de escravidão que atinge milhões de pessoas em todo o planeta. A Campanha e a Quaresma nos convidam a uma conversão pessoal, primeiramente, para despertamos em nós a consciência deste problema, e para conhecermos melhor esta questão, ajudarmos tanto na prevenção quanto no resgate destas vítimas”, orientou.

Dom Damasceno também adiantou que no início de março levará uma Imagem fac símile de Nossa Senhora Aparecida para a Basílica de Nossa Senhora das Dores, no Monastério de Sticno em Liubliana, na Eslovênia. A entronização foi um pedido do Monastério, que enviou diversos jovens para a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, em julho em 2013.

Fonte: Portal Ecclesia

Os comentários estão encerrados.